top
Brasil - Geologia, Recursos Minerais, Hídricos e Mineração
    
   
           Opinião & Realidade
 ESTRADAS: A FACE OCULTA DAS “QUEDAS DE BARREIRAS”

 Geol. Álvaro Rodrigues dos Santos

Escorregamento na BR-116, Teresópolis - Nova Friburgo - Foto: OESP - 08.02.05

Acidente na Régis Bittencourt 4 - Foto: OESP - 26.01.05

Escorregamento na BR-116, Teresópolis - Nova Friburgo

   Acidente na Régis Bittencourt

Os enormes prejuízos econômicos e patrimoniais, as perdas de vidas humanas e os incríveis transtornos na vida de milhares de cidadãos por conseqüência das interrupções ou estrangulamentos de tráfego resultantes de “quedas de barreiras” em nossas estradas têm já se tornado, desgraçadamente, fatos comuns e aguardados em nossos verões chuvosos. E, como tantas outras mazelas nacionais, destinados a ser digeridos no largo estômago brasileiro do esquecimento e da impunidade. É de extrema importância nacional que todos nos preocupemos em não permitir que a história continue assim a ser contada.

A terminologia mais jornalística “quedas de barreiras” envolve uma gama extensa de fenômenos geológico-geotécnicos, como escorregamentos em encostas naturais, rupturas de taludes de corte, rupturas de taludes de aterros, rompimento de aterros/barragens, rompimentos de cabeceiras de obras de arte, etc.

É preciso ressaltar que a Engenharia Geotécnica brasileira (aquela que trabalha com obras envolvendo intervenções em terrenos naturais de solos e rochas), apoiada pelas informações e conhecimentos da Geologia de Engenharia (a Geologia que trabalha junto a todas as formas de intervenção do Homem nos terrenos – como as estradas, por exemplo), tem pleno domínio tecnológico para evitar ou reduzir a riscos mínimos a ocorrência de toda essa gama de fenômenos. Donde se conclui que esses seguidos desastres estão ocorrendo, e anualmente aumentando a incidência de sua ocorrência, devido exclusivamente à não aplicação  dos referidos conhecimentos tecnológicos. A não ser que resolvamos todos entrar em crise de ingenuidade ou idiotice e passar a acreditar nas manifestações de agentes públicos e privados envolvidos em algum tipo destes acidentes que, malandramente, saem sempre a  culpar Deus e a Natureza pelas desgraças ocorridas.

A não aplicação dos conhecimentos técnicos já dominados pela Engenharia Geotécnica brasileira deve-se, entre outras, às seguintes situações:

- no caso de obras novas, a busca do máximo lucro possível, quando então são dispensados os estudos e diagnósticos geológico-geotécnicos necessários ao embasamento de um bom projeto para, ou irresponsavelmente se jogar com a sorte, ou então comodamente adotar-se a solução de engenharia genérica que mais esteja em moda naquele momento, qualquer que seja o fenômeno a ser enfrentado.

- no caso de obras já antigas, o que mais comumente ocorre, geralmente por uma economia burra, é o completo abandono dos indispensáveis serviços de monitoramento e manutenção das obras. Qualquer fenômeno de “queda de barreira” dá avisos e sinais de sua provável futura ocorrência. Esses sinais, trincas nos terrenos, rachaduras nos sistemas de drenagem, abatimentos na pista, alagamento a montante de aterros, etc, permitiriam aos responsáveis pela obra uma eficiente atuação preventiva sempre capaz de evitar o acidente. Como um exemplo gritante, esses aterros que “rodaram” levando um trecho da pista consigo, certamente tiveram suas galerias/bueiros de drenagem e ligação montante-jusante, ou desde o início mal dimensionadas ou mal construídas, ou progressivamente entulhadas (bloqueadas) com galhos, restos vegetais, solos e pedras, perdendo então sua capacidade de vazão. Fatos perfeitamente visíveis e detectáveis pelo mais simples serviço permanente de monitoramento e manutenção.

- um outro aspecto importante está em um problemático processo de perda da competência técnica por parte de empresas privadas e, especialmente, de nossos órgãos públicos. Quase sempre essa perda de competência está associada à questão salarial, e à disposição de não mais se trabalhar empresarialmente com equipes técnicas permanentes. Nos órgãos públicos, acrescente-se um fator de enorme gravidade, qual seja o esquecimento de um sentimento que tantas glórias e êxitos trouxe à engenharia pública nacional, o “espírito de missão”. Diferentemente da dedicação e do amor com que os técnicos antigos cuidavam de suas responsabilidades, hoje predomina o descaso, o “vire-se como puder”, o mais preocupar-se com atividades privadas paralelas. Acresça-se a isso a comum ocorrência de desvios funcionais associados à adoção da prática de terceirização de serviços de conservação. Obviamente, todos esses aspectos ligados direta ou indiretamente ao desmonte, quase ideológico, a que os órgãos públicos responsáveis por nossas obras de infra-estrutura vêm sendo já há anos submetidos pelos governos que se sucedem.

Enfim, em tempos onde se discute exaustivamente a necessidade do retorno dos investimentos públicos e privados em obras de infra-estrutura, esses fatos todos estão a sacudir nossa racionalidade: investimentos para construção de novas obras e recuperação de obras antigas são fundamentais e indispensáveis, mas serão investimentos realizados com baixíssima inteligência se não se fizerem obrigatoriamente acompanhar de exigências normatizadas para o emprego da melhor técnica, antes, durante e após a inauguração da obra, ou seja, no projeto, na implantação e na conservação da obra.

Acidente em ponte da Régis Bitencourt - Foto: OESP - 26.01.05

Acidente em ponte na Regis Bitencourt - Foto: OESP - 26.01.05

Acidente em ponte da Régis Bitencourt

Acidente em ponte da Regis Bitencourt 



Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.com.br)                     
Ex-Diretor da Divisão de Geologia e ex-diretor de Planejamento do IPT      
Autor dos livros “Geologia de Engenharia: Conceitos, Método e Prática” e     
“A Grande Barreira da Serra do Mar”                                                       
Consultor em Geologia de Engenharia, Geotecnia e Meio Ambiente               

  Início desta página


Retorna a página anterior